Comunidade São João Batista

A comunidade começou a ser formada no bairro Vista Alegre, quando em comemoração a São João Batista aconteciam as primeiras festas sempre no dia 24 de junho. As novenas eram realizadas nas casas de famílias e comandadas por Dona Mariquinha, a primeira líder comunitária que se teve notícia.

Desde então o centro das reuniões era feito com um pequeno oratório e, posteriormente, com o dinheiro das festas, foi construída a primeira Capela a São João Batista, com mais ou menos 12 m2, a qual localizava-se perto de onde hoje existe a Indústria Trombini.

De acordo com informações da Ordem dos Freis Capuchinhos da Igreja Nossa Senhora das Mercês, responsáveis pela assistência aos fiéis, à comunidade foi fundada em 27 de abril de 1952. Neste mesmo ano, no dia quatro de dezembro, o bairro São João foi oficialmente criado pela Prefeitura Municipal de Curitiba através do Decreto Lei Nº 590.

Na sequência, uma segunda Capela bem mais ampla, foi construída no mesmo local onde estava a primeira e as obras duraram três anos, com término em 1955.

Finalmente, a terceira Capela, onde atualmente são celebrados os ritos religiosos, foi construída entre os anos de 1961 e 1964, no loteamento Weigert, com a incansável colaboração do Sr. Luis Foltran.

O primeiro padre capuchinho a assistir a comunidade São João foi o Frei Mansueto, o qual teve atuação marcante, pois foi o fundador dos Congregados Marianos, Filhas de Maria, Cruzadinha Eucarística, Esporte Clube São João e o principal organizador do hino em honra a São João Batista.

Mais tarde, durante a construção da Capela atual, a comunidade veio a ser assistida pelo Padre Frei Bernardo e concluída em 1964 pelo Padre Frei Zanini. Os Freis Capuchinhos mantiveram-se atuantes na comunidade até o ano de 1968.

Curiosidades

Na época em que a comunidade ainda pertencia à Paróquia Nossa Senhora das Mercês, em dia de festa era realizada a procissão com as imagens de São João Batista e Nossa Senhora Divina Pastora da capela até a matriz, com a participação de moradores a pé, ciclistas uniformizados com a camisa do São João Esporte Clube e muitos caminhões. Lá havia a recepção calorosa da comunidade e da banda da Polícia Militar.

A comunidade desde sempre se mostrou muito unida tanto na realização das festas, como na própria construção da atual Capela, pois, não raro, depois do expediente, vários moradores se juntavam para arrancar pedras para a construção do piso.

Durante a presença do Frei Zanini, as festas de São João eram bastante prestigiadas e havia inclusive concursos para coroação da Rainha, Primeira e Segunda Princesas, quando a arrecadação era superior.

O salão comunitário começou a ser construído no dia 11 de outubro de 1971 pelos irmãos Azzolin, e foi inaugurado no dia 27 de novembro daquele ano. Antes da existência do salão, todo o material utilizado nas festas era acondicionado dentro da Capela. De acordo com alguns moradores mais antigos, certa vez, uma festa da comunidade foi realizada dentro da Capela, pois a chuva foi tamanha que a festa campal tornou-se inviável.

Em 12 de janeiro de 1975, as Irmãs Missionárias de Maria Xaveriana, construíram sua Casa de Formação ao lado da Capela de São João, tendo, desde então, atuação ímpar na comunidade.

O bairro São João era conhecido pelas suas indústrias, tais como a serraria e o moinho de fubá e derivados de milho da Família Piovesan; o moinho de cereais e fábrica de óleo de milho da Família Weigert; O Grupo Trombini, fabricantes de papel, embalagens e caixas de papelão; as pedreiras das Famílias Gava e Boturi; a Sund Emba, fabricava peças de máquinas; havia também uma fábrica de manilhas.